Deixe um comentário

Projeto educacional em Osaka inaugura biblioteca com livros em português

Evento de inauguração está marcado para o próximo dia 21 e terá atividades para as crianças

biblioteca em osaka
O Projeto Construir ARTEL, dedicado ao ensino de português como língua de herança (PLH) para crianças brasileiras, está inaugurando uma biblioteca com livros em português na cidade de Sakai (Osaka).

Na próxima quinta-feira (21), A Biblioteca Infantil Brasileira Susana Ventura será inaugurada em um evento especial, que contará com atividades para o público infantil.

Na programação terá contação de histórias da brasileira Patrícia Veldink, fundadora do projeto de PLH Vitamina Brasil nos Estados Unidos, e que está em viagem ao Japão.

A biblioteca já possui cerca de 1500 volumes e vem aumentando a coleção através de doações, principalmente de autores brasileiros. A instituição homenageia a escritora brasileira Susana Ramos Ventura, doutora em Letras pela Universidade de São Paulo e que tem colaborado ativamente com os projetos da biblioteca.

Susana, que também é a patrona e está vindo do Brasil, entra na programação do evento com palestra sobre a importância da leitura e um bate-papo exclusivo.

De acordo com a idealizadora do projeto Artel, Luzia Tanaka, a biblioteca possui principalmente livros infantis e juvenis e a coleção não para de crescer. “Estão chegando mais livros, mas ainda precisamos de mais volumes de obras para crianças de até 3 anos”, explica.

O sistema de empréstimo ainda não tem data para começar, mas deve passar a funcionar em alguns meses, através do pagamento de uma taxa anual, considerando os valores de tarifas de remessa e uma taxa para manutenção da biblioteca.

Informações:
Inauguração da Biblioteca Infantil Brasileira Susana Ventura
Data: 21/03/2019
Horário: 15h
Endereço: 〒590-0833 Osaka-fu Sakai-shi Sakai-ku Dejima Kaigan Doori 1-8-12
dois minutos de caminhada da Estação Minato, na linha Nankai Hon-sem
Entrada gratuita
Contato: projetoconstruirartel@gmail.com

Anúncios
Deixe um comentário

Cidade japonesa coloca terrenos à venda por menos de ¥1.000

O principal requisito é ter pelo menos um filho com idade entre 0 e 12 anos

JinsekikogenUma pequena cidade na província de Hiroshima vai colocar terrenos à venda por preços simbólicos, com o objetivo de atrair famílias e tentar reverter a queda populacional, informou o jornal Asahi.

A prefeitura de Jinsekikogen vai vender cinco lotes de terra, sendo três de 239 metros quadrados e dois de 413 metros quadrados, pelos valores de ¥576 e ¥1.000, respectivamente.

O principal requisito é ter pelo menos um filho com idade entre 0 e 12 anos (até a educação primária). A família que adquirir o terreno precisa providenciar a construção de uma casa em três anos.

As inscrições começam em abril. Caso haja muitas pessoas interessadas, a cidade vai fazer o sorteio dos cinco lotes, que ficam a cerca de 10 minutos a pé de uma escola, de uma creche e da sub-prefeitura.

Jinsekikogen é uma cidade com pouco mais de 9 mil habitantes, localizada a leste da província de Hiroshima, na divisa com Okayama.

Outras informações podem ser obtidas pelo número 0847-89-3330, na divisão de assuntos gerais da prefeitura (soumu-ka).
Fonte: Alternativa

Deixe um comentário

Grandes redes de restaurantes no Japão reduzem horas de trabalho

A indústria de restaurantes tenta manter funcionários em meio a uma profunda escassez de mão de obra

gusto restaurantGrandes redes de restaurantes no Japão estão deixando de operar 365 dias ao ano, enquanto a indústria tenta manter funcionários em meio a uma profunda escassez de mão de obra.

O operador de restaurantes Kisoji, com sede em Nagoia (Aichi), anunciou que não vai operar suas 119 filiais que servem shabu-shabu no país em 7 e 8 de maio, dias que seguem o período do feriado do Golden Week que neste ano será de 10 dias. Segundo um porta-voz da empresa, essa será a primeira vez que a rede será fechada por dias inteiros.

“Ao organizar nosso ambiente de trabalho, visamos assegurar empregos contra a escassez de mão de obra que está se tornando cada vez mais grave”, disse a empresa.

A decisão da rede Kisoji seguiu os passos do Sushiro Global Holdings, o maior operador de redes de sushi do Japão, que fechou cerca de 500 lojas por dois dias em fevereiro. A rede de lámen Kourakuen também não funcionou, em 1º de janeiro, o que a companhia disse ser a primeira vez em sua história de 64 anos.

A tendência destaca a gravidade da escassez de mão de obra no Japão, onde a população em idade ativa teve queda de 10% ao longo da última década.

A indústria de restaurantes do Japão, que tem uma porção mais alta de custos com trabalho se comparada a outros setores, vem sendo particularmente afetada. O Skylark Group, um dos maiores operadores de restaurantes do Japão, reportou um declínio ano a ano de 19% nos lucros em 2018 devido ao aumento dos custos salariais.

Redes de restaurantes estão hesitantes em aumentar os preços temendo a perda de clientes.

Muitas delas estão agora correndo contra o tempo para automatizar tarefas usando robôs e caixas self-service, assim como oferecendo regalias aos funcionários para mantê-los.

“Restaurantes costumavam pedir aos funcionários que oferecessem hospitalidade aos clientes”, disse Ryozo Minagawa, analista da Nomura Securities. “Eles estão começando a perceber que está se tornando impossível manter a qualidade e oferecer preços baixos ao mesmo tempo”.

Ao aumentar os dias de folga, restaurantes devem perder milhões de dólares em faturamentos. O impacto sobre as margens de lucros de deixar equipamentos e ingredientes parados por dias “não será pequeno”, disse Minagawa. Mesmo assim, restaurantes esperam que deixar os trabalhadores satisfeitos funcionará a longo prazo.

“Perguntamos o que os funcionários queriam e eles disseram dias de folga”, disse o CEO da Sushiro, Koichi Mizutome, aos repórteres em janeiro. “Perdemos vários milhões em lucros, mas vemos isso como investimento”.
Fonte: Portal Mie com Nikkei

Deixe um comentário

Defeito em apartamentos Leo Palace vai obrigar mudança de 14 mil pessoas no Japão

Mais de 1.300 prédios têm paredes com falha de resistência ao fogo e isolamento acústico

apartamentos Leo PalaceA empresa responsável pelos apartamentos Leo Palace disse na quinta-feira (7) que pedirá a saída de 14.443 moradores, após detectar defeitos em 1.324 de seus prédios no Japão, informou a agência de notícias Kyodo.

A empresa disse que uma sonda detectou instalação defeituosa de um material resistente ao fogo em tetos e o uso de um material abaixo do padrão para isolamento acústico em paredes internas. A sonda também descobriu que a construção de paredes externas não atende aos requisitos de proteção contra incêndio.

A Leo Palace lançou uma investigação sobre possíveis problemas em seus quase 40 mil apartamentos em todo o país depois que 38 casos de defeitos foram encontrados em prédios construídos entre 1996 e 2009.

Dos 14.443 moradores afetados em Tóquio e em 32 províncias, a empresa pedirá a 7.782 pessoas para saírem o mais rápido possível.

A empresa planeja arcar com todas as despesas de mudança dos inquilinos e reformar os prédios defeituosos. Em função disso, a previsão é de um prejuízo de 40 bilhões de ienes no atual ano fiscal, que termina em março.

A companhia, sediada em Tóquio, decidiu cortar o salário do presidente-executivo Eisei Miyama em 30% e de outros executivos em 20% por seis meses, a partir de fevereiro.

Existe a possibilidade de Miyama deixar o cargo em função dos problemas encontrados nos prédios.
Fonte: Alternativa

Deixe um comentário

Era Heisei termina em menos de 100 dias

Várias lojas estão vendendo produtos para marcar o término era Heisei, que teve início em 8 de janeiro de 1989

imperador akihito4
Com menos de 100 dias até o fim da atual era Heisei, o entendimento da mudança está se espalhando no Japão.

A era Heisei se encerrará com a abdicação do imperador Akihito em 30 de abril e uma nova terá início quando o príncipe herdeiro Naruhito ascender ao trono em 1º de maio.

Na estação de Tóquio, manjus estão chamando atenção, com as vendas diárias chegando a mais de 100 caixas. Em cada caixa há um cartão que inclui frases como “Obrigado, Manju Heisei”.

Uma loja no distrito de Shinjuku (Tóquio) instalou um balcão especial para produtos Heisei.

Pastas de plástico do tamanho A4 são particularmente populares. Os caracteres para “Heisei” estão escritos na frente, com os grandes eventos dos últimos 30 anos, como a queda do Muro de Berlim em 1989, destacado na parte de trás.

Cerca de 50 produtos relacionados estão à venda.

Em muitos sites que fazem a contagem regressiva para o fim da era Heisei, o número 100 mudou para 99 na segunda-feira (21).

Algumas pessoas no movimentado distrito de Shinjuku compartilharam seus pensamentos sobre o fim da era Heisei.

Um jovem de 21 anos disse que está triste em pensar que a era de seu nascimento está se encerrando.

Uma funcionária de creche, de 24 anos, disse que está ansiosa pela primeira mudança de era de sua vida e que estará animada em receber crianças nascidas em uma nova era no estabelecimento onde trabalha.
Fonte: Portal Mie com NHK

Deixe um comentário

Japão define regras para creches gratuitas e ajuda em dinheiro a partir de outubro de 2019

A medida vai beneficiar principalmente pais com filhos de 3 a 5 anos

creche
O governo japonês definiu nesta sexta-feira (28) regras para creches e jardins de infância gratuitos e concessão de ajuda mensal em dinheiro, informou a agência de notícias Jiji Press.

As creches e os jardins de infância reconhecidos passarão a ser gratuitos em outubro de 2019, quando o imposto sobre consumo (shouhizei) subirá de 8% para 10%.

A medida vai beneficiar todos os pais com filhos de 3 a 5 anos, independente da renda familiar.

No caso das crianças de 0 a 2 anos, apenas as famílias de baixa renda que estão isentas do imposto residencial (juuminzei) terão creches gratuitas para todos os filhos.

O sistema atual já contempla as famílias de baixa renda com creche gratuita para crianças de 0 a 2 anos de idade. No entanto, a gratuidade vale apenas a partir do segundo filho de famílias que recebem o benefício do seikatsu hogo (auxílio subsistência) ou estão isentas do imposto residencial.

As novas medidas para crianças de 0 a 2 anos também incluem o primeiro filho de uma família de baixa renda.

Em relação às creches ou jardins de infância não reconhecidos, o governo vai dar uma ajuda mensal de até ¥37 mil aos pais com filhos de 3 a 5 anos.

O benefício abrangeria as famílias que realmente necessitam deixar os filhos na creche, pelo fato do pai e da mãe trabalharem fora ou por outros motivos. As prefeituras ficariam responsáveis por decidir quem poderia receber a ajuda ou não.

Os pais que têm filhos de 0 a 2 anos só ganharão a ajuda se estiverem isentas do imposto residencial.

As creches e os jardins de infância dessa categoria não são reconhecidos pelas prefeituras, mas podem funcionar normalmente como instituições particulares, incluindo também creches que funcionam à noite e hotéis para bebês.

O primeiro-ministro Shinzo Abe disse que os benefícios custarão ao governo ¥1,5 trilhão, incluindo a medida que torna também o ensino médio (koukou) gratuito, mas ele espera compensar os gastos com o aumento do imposto sobre consumo.

Como ficarão as creches
– Creches e jardins de infância reconhecidos (ninka / 認可) se tornarão gratuitos a partir de outubro de 2019

– A medida vale para todos os pais com filhos de 3 a 5 anos, independente da renda familiar

– No caso das crianças de 0 a 2 anos, apenas as famílias de baixa renda que estão isentas do imposto residencial (juuminzei) terão creches gratuitas para todos os filhos

– Ajuda mensal de até ¥37 mil para pais que têm filhos de 3 a 5 anos em creches ou jardins de infância não reconhecidos (ninkagai / 認可外). O pai e a mãe precisam estar trabalhando fora, sem ter com quem deixar as crianças.

– A ajuda será concedida a pais com filhos de 0 a 2 anos se a família estiver isenta do imposto residencial
Fonte: Alternativa

Deixe um comentário

Templo Kiyomizu anuncia o kanji do ano de 2018: 災

Como acontece tradicionalmente o Templo Kiyomizu anunciou o kanji de 2018

kanji de 2018
Seihan Mori, o abade principal do templo budista Kiyomizu, situado em Quioto (província homônima), anunciou o kanji do ano 2018, na quarta-feira (12).

O escolhido foi o 災, lê-se sai e azawai, o que significa acontecimentos desagradáveis.

O abade escreveu o ideograma, a carvão, sobre uma folha de washi – papel tipicamente japonês – de 1,5m por 1,3m em uma cerimônia. E explicou o motivo da escolha.

O ano foi marcado pelos desastres da natureza, como as enchentes provocadas pelo tufão e os terremotos, os quais provocaram vítimas e desabrigaram pessoas.

Há várias formas de escrever situações e acontecimentos ruins usando esse kanji:
火災 (kasai), incêndio
震災 (shinsai), terremoto
人災 (jinsai), calamidade provocada pelo ser humano
被災 (hisai), desastre ou aflição
防災 (bosai), prevenção de desastres
罹災 (risai), sofrimento ou aflição
Esse foi o último ideograma da era Heisei, a qual está se findando.
Fonte: Portal Mie com Sankei e NHK