Deixe um comentário

Japão investe na indústria de serviços e reformula sua famosa hospitalidade

Sistemas automatizados podem retirar o toque humano do “omotenashi”

sistemas automatizadosO boom de gastos de capital do Japão está mudando para o setor de serviços, provocando temores de que sistemas automatizados e softwares retirem o toque humano do “omotenashi”, o pretenso compromisso do país com a hospitalidade.

Os esforços econômicos no trabalho são inegáveis. A população em idade ativa deverá encolher em cerca de um terço no próximo meio século, e as empresas simplesmente não podem contratar trabalhadores suficientes.

Virar-se para a automação aumenta a produtividade e elimina o gargalo do crescimento econômico – mas marca um recuo de uma cultura orientada a serviços, na qual o cliente é o “rei”.

“O nível de omotenashi depende de onde você compra, mas, independentemente disso, damos muita ênfase à interação face a face”, disse Naoki Kobayashi, 52 anos, gerente de vendas de uma empresa de telecomunicações, depois de comprar bebidas de uma loja ao norte de Tóquio que não tinha funcionários. “Nós também temos uma população cada vez menor, então eu posso entender por que alguns varejistas precisam mudar.”

A East Japan Railway trabalhou com a consultoria de tecnologia da informação Signpost para montar a loja no mês passado em uma estação de trem em uma linha popular de passageiros.

Para fazer o pagamento, os compradores pegam um cartão RFID na entrada e deixam no local quando saem. Câmeras alimentadas com AI rastreiam quais produtos eles escolheram.

Ainda há alguns bugs: no caso de Kobayashi, o sistema confundiu sua compra com a de seu colega de trabalho. A loja sem funcionários ainda está sendo testada, mas pode ser aberta em outro lugar em resposta à escassez de mão de obra, disse um porta-voz da East Japan Railway.

O “omotenashi” ajudou o Japão a ficar em primeiro lugar no ano passado em satisfação do cliente, de acordo com um estudo do Fórum Econômico Mundial sobre turismo.

Mais comumente, ele incorpora intensa interação pessoal com os clientes, uma disposição extrema de responder ao menor pedido, falar apenas o idioma japonês mais polido e se curvar com frequência.

Mesmo os funcionários de supermercados e hotéis baratos são treinados para se curvarem, falam em tom polido e são mais atentos do que a maioria dos trabalhadores no exterior.

Mas as empresas japonesas agora são forçadas a considerar quanto de um toque pessoal podem pagar. O índice de novos postos de trabalho para candidatos já é o maior em quatro décadas e é provável que suba ainda mais.

A população em idade ativa do Japão cairá 35 por cento, para 50,7 milhões em 2065, dos 78,1 milhões em 2015, disse a ONU.

Os gastos de capital no setor de serviços, que começaram a acelerar no último trimestre de 2016, aumentaram 9,2% no primeiro semestre deste ano, o crescimento mais rápido em quase três anos.

O investimento poderia compensar no Japão, que tem a menor produtividade entre os países do G7.

A Matsuya Foods Holdings está reformando alguns de seus restaurantes self-service. Os clientes pegam a comida em um balcão e limpam suas próprias bandejas, o que significa menos interação com os funcionários.

A operadora de lojas de conveniência Lawson está testando um sistema que permite que os compradores digitalizem e paguem pelas mercadorias com seus telefones celulares.

Na loja de departamentos Takashimaya em Nihonbashi, no centro de Tóquio, o veterano porteiro Masanori Shikita, de 71 anos, franziu a testa quando perguntado se o “omotenashi” perderia seu toque humano.

“Nossa filosofia básica é colocar as pessoas em primeiro lugar”, disse ele. “Omotenashi significa que você permanece do lado do cliente, e você vê as coisas do ponto de vista do cliente, como você mostra a hospitalidade”.

Certamente, alguns elementos da tradição de atendimento ao consumidor provavelmente não desaparecerão. O edifício da Takashimaya em Nihonbashi, construído em 1933, é considerado uma importante propriedade cultural e conta com elevadores elaborados e operados por funcionários.

Yuria Nagamoto, 22 anos, trabalha como operadora de elevador há três anos. Vestida com um uniforme escuro e chapéu de casaquina, ela anuncia quais itens estão disponíveis antes de parar o elevador em cada andar.

“Na Takashimaya, os clientes fazem tantas perguntas diferentes que eu tive que estudar muito, mas é importante poder responder às necessidades dos clientes”, disse ela.

Mas algumas empresas dizem que máquinas as ajudam a manter o toque humano de “omotenashi”.

A Fast Retailing instalou caixas automáticos em 195 lojas para sua marca de roupas de baixo custo GU. A empresa disse que os clientes gostam das máquinas, mas que não cortará pessoal.

“O novo sistema aumenta significativamente a eficiência das operações das lojas, portanto a equipe pode passar mais tempo com os clientes que fazem compras”, disse uma porta-voz da Fast Retailing.

“Esta iniciativa realmente melhora nosso nível de serviço.”
Fonte: Alternativa com Reuters

Anúncios
Deixe um comentário

Segundo turno da votação, veja como fica

Os 3 Consulados do Brasil no Japão informam sobre o 2º turno da votação

eleições segundoturno
O número de eleitores brasileiros em todos os países aumentou, especialmente a população que vota em Nagoia (Aichi).

No primeiro turno a votação foi realizada na Universidade Chukyo. No entanto, no segundo turno, o voto para eleitores de Nagoia será em outros locais. Segundo informação do Consulado-Geral do Brasil em Nagoia “a votação do segundo turno da eleição presidencial na Universidade Chukyo foi vetada pelas associações de moradores dos bairros de Showa e Tenpaku”.

Nos postos de Hamamatsu e Tóquio não há alteração dos locais. Veja abaixo.

Em todos os locais indicados para votar o horário é das 8h às 17h, no último domingo do mês, dia 28.

Estacionamentos indevidos
No primeiro turno ocorreram muitos problemas com estacionamentos em locais não permitidos. As autoridades pedem encarecidamente que os eleitores evitem se locomover de carro. Caso não seja possível, que procurem estacionar o veículo em local adequado, nos estacionamentos pagos mesmo que tenha que andar um pouco.

Locais de Votação
Jurisdição do Consulado de Nagoia
Assim, o posto foi obrigado a acatar a decisão e o segundo turno será realizado em dois locais, em 28 deste mês, domingo. “Na ausência de local espaçoso alternativo para o segundo turno, a votação será no Consulado-Geral do Brasil em Nagoia e no Banco do Brasil”, informou. Toque sobre os respectivos nomes para abrir os mapas. Eles ficam próximos à saída 7 da estação Marunouchi, dos metrôs Tsurumai, da linha de mesmo nome, ou da linha Sakuradoori.

  1. Nagoia (Aichi): próprio consulado e no Banco do Brasil (NÃO É MAIS NA UNIVERSIDADE CHUKYO). Verifique sua seção e o local de votação exata na tabela que o consulado distribui no dia
  2. Suzuka (Mie): Escola Alegria de Saber-EAS
  3. Toyohashi (Aichi): Prefeitura – Higashikan 13.º andar
  4. Hiroshima (província homônima): 2.º andar do Ryugakusei Kaikan
  5. Takaoka (Toyama): Yukawa Jinzai Service

Jurisdição do consulado Hamamatsu
Para o eleitor dessa jurisdição o local de votação é único. É no Consulado-Geral do Brasil em Hamamatsu, no 1.º, 7.º e 8.º andares.

Jurisdição do Consulado de Tóquio
Os locais para votação no segundo turno são os mesmos do primeiro. O Consulado-Geral do Brasil em Tóquio providenciou 4 locais de votação, sendo que na capital do país o local é próximo ao consulado. Confira abaixo.

  1. Tóquio: eleitores das seções 1765, 1766, 1767, 1768, 1769, 1770, 1771, 1772, 1773, 1774, 1775, 1776, 1777, 1778, 1779, 1780 devem ir para Areal Conference Room Annex 2.º andar
  2. Oizumi (Gunma): eleitores das seções 1815, 1816, 1817, 1818, 1819, 1820, 1821, 1822, 1823, 1824, 1825 devem ir para Oizumi-Machi Bunka Mura
  3. Joso (Ibaraki): eleitores das seções 1806, 1807, 1808, 1809 devem ir para Prefeitura de Joso
  4. Ueda (Nagano): eleitores das seções 1835, 1836, 1837 devem ir para Uenogaoka Kominkan

Providências antes da votação
Para evitar de ficar na fila e descobrir que não está apto a votar, veja abaixo o que precisa conferir ou providenciar antes. Isso evitará os transtornos do primeiro turno.

  • É preciso ter domicílio eleitoral no Japão ou ter transferido o título de eleitor
  • Levar um documento de identidade brasileiro que tenha foto. Pode ser passaporte, identidade (RG), carta de habilitação ou alistamento militar.
  • Caso o nome do titular esteja diferente no título eleitoral e no documento de identificação, deve-se apresentar também o documento comprobatório de alteração de nome.
  • O eleitor que estiver com sua situação eleitoral regular, mesmo sem o documento do título de eleitor, poderá votar apresentando documento brasileiro original com foto que comprove sua identidade
  • Saiba de antemão a sua seção eleitoral
  • Mãe ou pai com bebê de colo, idosos (acima de 60 anos), pessoas com deficiência e obesos devem entrar na fila de prioritários
  • Como nenhum dos locais possui estacionamento e o número de vagas na região é limitado a recomendação é usar transporte público. Isso evitará multas de trânsito como no primeiro turno. Por isso, verifique no mapa o seu local de votação antecipadamente
  • Baixe o app e-Título (pode ser obtido através do Google Play ou App Store.

Pedido especial do Consulado de Nagoia: voluntários
São 16 mil eleitores inscritos para votar somente em Nagoia. Há necessidade urgente de voluntários para auxiliar nos trabalhos de organização de filas e espaços para votação, de orientação aos eleitores prioritários e de indicação das mesas receptoras de votos. Àqueles que puderem colaborar o consulado pede para enviar mensagem para eleitoral.nagoia@itamaraty.gov.br com os seguintes dados:

  • nome completo
  • número do título de eleitor
  • data de nascimento
  • nome da mãe
  • endereço residencial completo
  • telefone
  • e-mail

Se puder ser voluntário em outras localidades de votação da jurisdição do consulado de Nagoia será bem-vindo.

Caso não possa comparecer
O voto é obrigatório para o cidadão brasileiro. Porém, se por algum motivo não puder comparecer é preciso justificar a ausência.
Fonte: Portal Mie com Consulados do Brasil no Japão

Deixe um comentário

Primeira neve da temporada no topo do Monte Fuji

Embora claramente visível de Gotenba, na província de Shizuoka, a primeira neve de outono no topo ainda não é oficial

neve-monte-fujiO inverno está a caminho em torno do pico do Monte Fuji, que foi coberto com seu primeiro pó de neve na manhã desta quarta-feira (26).

Embora claramente visível de Gotenba (Shizuoka), cidade no sudeste da montanha mais alta do país, a primeira neve de outono no topo ainda não é oficial.

A confirmação deve ser feita pelo Escritório Local de Meteorologia de Kofu na província de Yamanashi.

A montanha de 3.776 metros de altura abrange as províncias de Shizuoka e Yamanashi.

Visto que nenhuma observação oficial é conduzida no lado de Shizuoka, a neve no topo desta quarta-feira não é oficialmente reconhecida.

A primeira neve no topo do Monte Fuji na última temporada veio 23 dias mais tarde que o normal, em 23 de outubro.
Fonte: Portal Mie com Asahi

Deixe um comentário

Fábrica da Toyota em Hokkaido deve retomar produção nesta segunda-feira

Forte terremoto interrompeu o trabalho da unidade na semana passadatoyota linha producao2A Toyota Motor informou nesta segunda-feira que sua fábrica de autopeças no norte do Japão está se preparando para retomar a produção em algum momento durante o turno da noite, a partir das 20h30, depois que um forte terremoto interrompeu o trabalho na semana passada.

O fechamento da fábrica de transmissões em Tomakomai, na ilha de Hokkaido, obrigou a Toyota a interromper a produção por um dia, nesta segunda-feira, em 16 unidades de montagem de veículos e em sete fábricas de autopeças em todo o Japão.

A Toyota disse que decidirá nas próximas horas sobre os planos de produção para terça-feira nas 23 fábricas.

O terremoto de magnitude 6,7 em Hokkaido, na última quinta-feira, matou quase 40 pessoas e cortou temporariamente a energia da ilha.

A eletricidade na fábrica em Hokkaido foi restaurada no sábado e a montadora está verificando as instalações de produção para um provável reinício, disse a Toyota.
Fonte: Alternativa com Reuters

Deixe um comentário

Japão reafirma seu pacifismo no 73º aniversário do fim da II Guerra Mundial

73 anos apos guerra

O Japão lembrou nesta quarta-feira o 73º aniversário da sua rendição na II Guerra Mundial, evento que encerrou o conflito, em cerimônia onde o primeiro-ministro Shinzo Abe e o imperador Akihito reafirmaram o pacifismo do país asiático.

Em um evento celebrado no estádio Nippon Budokan, em Tóquio, e diante de aproximadamente 6 mil pessoas, o chefe do governo japonês disse que o Japão “iniciou um caminho de respeito pela paz depois da guerra e ajudou a construir um mundo melhor”.

Abe pediu para que “não se repita a tragédia da guerra”, e afirmou que seu país deve “olhar modestamente a história” para manter seu compromisso pacifista.

“Vamos tentar resolver os problemas que geram conflitos, e faremos todo o possível para conseguir um mundo em que as pessoas possam viver com tranquilidade”, disse o líder conservador, afirmando que este compromisso será seguido pelas novas gerações.

Abe, mais uma vez, evitou mencionar em seu discurso as agressões do Exército imperial japonês contra países vizinhos desde o início do Século XX, uma atitude criticada pela China e Coreia do Sul, os que mais sofreram com o colonialismo japonês.

Sinais de arrependimento foram uma constante no evento desde 1994, quando o primeiro-ministro Tomiichi Murayama expressou os remorsos do Japão pela sua conduta na Ásia, mas Abe evitou incluir tal menção em seus discursos desde sua chegada ao poder, em dezembro de 2012.

O imperador Akihito realizou sua última participação no evento, antes da sua abdicação, prevista para o final do mês de abril de 2019.

“Revendo o passado com profunda reflexão, desejo com afinco que a guerra não se repita jamais”, disse Akihito, que também transferiu seus pêsames “a todo povo japonês por todos aqueles que perderam a vida” durante os confrontos bélicos.

“Nestes 73 anos após o fim da guerra, nosso país desfrutou da paz e prosperidade graças aos constantes esforços do povo japonês. No entanto, ao lembrar aqueles tempos difíceis, não posso deixar de me emocionar”, afirmou o imperador, de 84 anos.

Os presentes na cerimônia, entre eles cerca de 5 mil familiares dos mortos durante a guerra, fizeram um minuto de silêncio, ao meio-dia (hora local) pelos aproximadamente 2,3 milhões de soldados e 800 mil civis falecidos, incluindo as vítimas dos bombardeios atômicos. sobre Hiroshima e Nagasaki.
Fonte: EFE

Deixe um comentário

Dia do Mar: significado do feriado para o Japão

Há um movimento para voltar a fixá-lo em 20 de julhoumi no hi

O feriado Dia do Mar não é uma data só para comemorar a abertura da temporada de praias. Foi estabelecido em 20 de julho pela Lei de Feriados do Japão. No entanto, desde 2015 foi movido para a 3.ª segunda-feira do mês, por causa do sistema Happy Monday. Na tradução ao pé da letra, algo como segunda-feira feliz.

Em 2020, ele será comemorado em data transferida para 23 de julho por causa das Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio.

Apesar do fato de ser um projeto nacional, mudar a data em circunstâncias ocasionais pode não prejudicar o propósito original dos feriados.

A indústria do turismo é que se preocupa com a fixação dos feriados, pois se houver redução dos feriadões, há um impacto no segmento.

Por que Dia do Mar em 20 de julho
Para o Japão, país formado por um grande arquipélago, o mar tem um significado especial.

Há um movimento para que esses feriados relacionados à natureza sejam preservados. Os motivos são para refletir sobre os benefícios do mar e agradecer por tudo que ele proporciona.

A data foi instituída para lembrar um fato histórico. Em 1876, o Imperador da Era Meiji regressou ao Porto de Yokohama, depois das visitas à região Tohoku.

Em 1875 a questão das Ilhas Ogasawara foi resolvida entre Japão e Reino Unido. Como o navio japonês chegou primeiro do que o inglês, as ilhas passaram a pertencer ao Japão. A área de Ogasawara é responsável por cerca de 30% da zona econômica exclusiva do Japão-ZEE.

Por essas e outras razões o Dia do Mar é uma data importante para fazer associação com a história.

Países que têm um dia do mar e feriados como o Japão são raros. No entanto, o Japão é uma nação marítima. Os oceanos têm um significado profundo para o país.
Fonte: Portal Mie com Sankei

Deixe um comentário

Um dos maiores hospitais flutuantes do mundo fez parada no Japão

O navio Mercy veio ao arquipélago a convite do governo japonês. Participou de exercício militar com a Força Marítima de Autodefesa

Naval Hospital Ship Mercy

Um petroleiro convertido, que agora é classificado como um dos maiores hospitais flutuantes do mundo, fez sua primeira parada em Tóquio no dia 15 de junho.

O Naval Hospital Ship Mercy dos EUA, que atracou no Oi Marine Products Wharf no distrito de Ota (Tóquio), é equipado com cerca de mil leitos, 12 salas de operações, uma unidade de cuidados intensivos e equipamento de tomografia computadorizada.

Sua principal missão é fornecer cuidados médicos para tropas de combate feridas em ação. Ele foi enviado ao Golfo Pérsico em 1990 antes do início do combate militar no Iraque.

O navio pode transportar um máximo de 1.300 pessoas, incluindo equipe médica.

O governo japonês convidou o Mercy ao país a fim de ter uma melhor compreensão de maneiras para fornecer cuidados médicos de emergência durante desastres naturais.

O Mercy mede 272 metros da popa à proa e tem um deslocamento de 69.360 toneladas quando está com carga completa.

Remodelado a partir de um petroleiro e entregue à Marinha dos EUA como um navio-hospital em 1986, ele participou de um exercício militar conjunto com a Força Marítima de Autodefesa do Japão em 14 de junho na Base Naval de Yokosuka, na província de Kanagawa.

O exercício foi realizado para simular um grande número de acidentes no navio, a fim de vivenciar tratamento médico de emergência após um desastre natural.

Residentes locais escolhidos por sorteio puderam ter uma visão rara do navio em 16 de junho.
Fonte: Portal Mie com Asahi